Repertórios que poderiam ter sidos usados na redação Enem 2021

Veja alguns repertórios socioculturais que poderiam ter sido utilizados na redação Enem 2021.

Conteúdo produzido por Corrija-me - Correção de Redação Em Bancas e suas Redações

Você fez a prova de redação Enem 2021? O seu repertório sociocultural estava bom o bastante para desenvolver o tema? Ou na hora do exame deu aquele famoso “branco”. Afinal, o tema “Invisibilidade e Registro Civil: garantia de acesso à cidadania no Brasil” pegou muitos candidatos de surpresa. Isso porque o tema é pouco discutido.

Se você foi uma dessas pessoas, não se preocupe. Muitos também esperavam um tema mais fácil ou mais discutido, especialmente em função da pandemia, mas esse assunto-surpresa foi um aviso: mantenha-se bem informado, pois o tema da redação pode ser o que você menos imagina.

Fizemos uma análise sobre a redação Enem 2021 e quais os argumentos poderiam ter sido abordados na prova. Vamos indicar alguns repertórios socioculturais. Confira!

Prova de redação Enem 2021

Repertórios que poderiam ter sido usados na redação Enem 2021

Abaixo, listamos alguns repertórios que você poderia ter utilizado para embasar muito bem a sua argumentação.

Campanha de Registro Civil de Nascimento da UNICEF

Após a realização da prova de redação Enem 2021, houve pessoas que se lembraram da campanha da UNICEF. Foi uma ação televisionada e falava sobre o registro civil de nascimento.

Na época, a propaganda alertava sobre a gratuidade da certidão de nascimento e a importância de se ter uma. Afinal, o Estado precisa reconhecer uma pessoa como cidadã para que ela tenha seus direitos preservados. Como, por exemplo, direito à vacinação, educação e outros.

Constituição Federal – o direito ao registro do nascimento

Outro repertório sociocultural que poderia ter sido usado era o da Constituição Federal, especialmente o artigo 5º, que garante diversos direitos dos cidadãos. Afinal, entre eles, está a gratuidade da certidão de nascimento e de óbito.

O artigo 6º também poderia cair na prova. Isso porque ele garante os direitos sociais que são negados para as pessoas que não possuem registro. Nele está escrito:

Art. 6º São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia, o transporte, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência aos desamparados, na forma desta Constituição.”

“Cidadão de Papel”, livro de Gilberto Dimenstein

Sabemos que a realidade do cidadão, em muitos casos, está somente no papel, mesmo que a Constituição Federal garanta o direito civil do registro de nascimento e outros como, por exemplo, saúde, alimentação, trabalho digno e educação.

A obra “Cidadão de Papel”, escrita por Gilberto Dimenstein em 1994, aponta os direitos do cidadão que estão somente no papel, ficando distantes da prática. O tema é propício para ser a base de uma redação que fale sobre invisibilidade social e registro civil. Afinal, discutem-se questões fundamentais sobre a cidadania, democracia e direitos humanos. Além disso, destacam-se as desigualdades sociais.

Aulas ao vivo de redação

IBGE – DADOS

Alguns dias antes da prova da redação Enem 2021, o IBGE divulgou a sua pesquisa de “Estatísticas do Registro Civil 2020”. Segundo o estudo, em 2020, houve o menor número de registros civis desde 1998. Ademais, nos meses de março a maio, se comparados aos últimos cinco anos, houve uma queda de mais de 40 mil registros de nascimento.

Outro ponto destacado no estudo foi que, do total de registros feitos em 2020, 2% são de nascidos em 2019 ou possuem o ano de nascimento ignorado.

Redação Enem 2021 – Livros “Vidas Secas” e “A Hora da Estrela”

Os clássicos da literatura brasileira sempre combinam com temas atuais discutidos no Brasil. Graciliano Ramos escreveu a obra “Vidas Secas”, em que retrata a história de pessoas que vivem no Sertão e não possuem acesso aos direitos básicos. Por exemplo, os filhos do personagem principal, Fabiano, não possuem registro e, muito menos, nomes. Portanto, são identificados como “menino mais velho” e “menino mais novo”.

Outra obra que iria cair muito bem para o assunto é “A hora da Estrela”, de Clarice Lispector. O nome da personagem principal, Macabéa é identificado somente na metade do livro, mostrando a demora da mãe em dar um nome à filha. Mas é preciso ressaltar que, assim como em “Vidas Secas”, a personagem dessa obra também é nordestina e vive às margens da sociedade.

“Onde está a segunda?” Filme

Disponível na Netflix, o filme mostra um futuro distópico em que a sociedade enfrenta problemas de superpopulação, mas também de escassez de recursos. Para conter o crescimento populacional, o governo permite que as famílias tenham somente um filho. Quem descumprir a regra deve enviar o segundo filho para um sono criogênico, ou seja, para serem congelados até o problema de superpopulação ser resolvido.

O longa mostra sétuplas que se escondem do governo e, para viverem em sociedade, elas adotam a mesma identidade e um sistema interno que permite que somente saia uma irmã a cada dia da semana. 

“Parasita” – filme

A invisibilidade social e os conflitos de classe são retratados no filme “Parasita”, vencedor do Oscar de melhor filme em 2020. O longa mostra brutais desigualdades e choques de classe a partir de uma narrativa bem realista. Além da baixa renda, mostra como os direitos básicos de sobrevivência de um cidadão não são respeitados.

Treine com o Corrija-me para passar na redação Enem

O tema da redação Enem 2021 foi uma surpresa para todos. Portanto, para não ser pego desprevenido em 2022, estude com a Corrija-me! Nossa equipe vai ajudar você a desenvolver o melhor texto para ser aprovado no Exame!

Estude com quem mais aprova na redação Enem. Conheça a nossa plataforma.

 

COMENTÁRIOS:

Nenhum comentário foi feito, seja o primeiro!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.